31 de mai de 2010

Veludo Azul




Aos 74, Dennis Hopper morre vítima de câncer
Ator e diretor americano marcou uma geração com o filme “Sem Destino’
Um dos grandes “bad boys” de Hollywood, ele atuou em filmes como “Veludo Azul” e “Juventude Transviada”
ANDREA MURTA – FOLHA SP
DE WASHINGTON
O ator americano Dennis Hopper, 74, que marcou uma geração com o filme “Sem Destino” (”Easy Rider”, 1969), morreu ontem em sua casa em Venice, Califórnia, em decorrência de complicações de câncer de próstata.
Hopper lutou contra a doença por boa parte da última década, mas não deixou de trabalhar. Um de seus últimos papéis de destaque foi na série de televisão “Crash”, baseada em filme homônimo de 2004, na qual interpretava um produtor musical na cidade de Los Angeles.
O quadro do ator se agravou no final do ano passado, durante uma turnê promocional do seriado. Em janeiro, foi hospitalizado. Naquela época, pediu o divórcio a sua quinta mulher, Victoria Duffy, dizendo que queria passar o “período difícil” ao lado apenas dos quatro filhos e dos amigos íntimos.
Hopper e Duffy foram parar nos tabloides devido a disputas financeiras e por sua famosa coleção de arte.
Em março último, com aparência frágil, ele recebeu uma estrela na calçada da fama de Hollywood. Aceitou a honraria ao lado dos amigos Jack Nicholson e David Lynch, que o dirigiu em “Veludo Azul” (1986).
A carreira intensa trouxe a ele grande sucesso. Hopper ficou famoso por seus papeis mais desconcertantes, como de alcoólatras e psicopatas.
TV
Considerado um dos grandes “bad boys” da indústria cinematográfica, foi criado em uma fazenda no Kansas e se mudou para a Califórnia no final dos anos 1940.
Começou a fazer sucesso na TV nos anos 1950. Em 1955, teve participação no lendário “Juventude Transviada”. Em 1958, atuou em “From Hell to Texas”, dirigido por Henry Hathaway.
Após várias brigas com Hathaway, se tornou uma espécie de pária e passou vários anos sem convites para papéis expressivos. Hollywood o recebeu de volta após seu casamento com Brooke Hayward, filha de um importante produtor e da atriz Margaret Sullavan.
O estouro veio com “Sem Destino”, que escreveu e atuou em parceria com o amigo Peter Fonda. Hopper também dirigiu o filme.
Ele diria mais tarde que o longa levou a droga a Hollywood -ela é elemento central no roteiro. “Sou responsável pelo problema da cocaína nos Estados Unidos. Não havia cocaína nas ruas antes de “Sem Destino”. Depois, estava por toda parte.”
AUTOR
Hopper recebeu sua primeira indicação ao Oscar pelo roteiro original de “Sem Destino”, ao lado de Fonda e de Terry Southern. Em Cannes, venceu o prêmio por melhor primeiro trabalho. “De repente, eu era um autor.”
Dez anos depois, teve outro papel memorável, em “Apocalypse Now” (1979), enquanto ainda lutava contra o vício em drogas.
Hopper dizia que só deixou de lado o abuso de substâncias em meados dos anos 1980, após ser internado em um hospital psiquiátrico.
A segunda indicação ao Oscar veio em 1987, como ator coadjuvante, por “Momentos Decisivos”. Ele nunca ganhou a estatueta.
Além de atuar e dirigir, o “enfant terrible” de Hollywood tinha aspirações artísticas também em poesia, pintura e fotografia. Esta última levou o ator a um livro, “1712 North Crescent Heights” (o título é uma referência ao seu endereço em Los Angeles).

Nenhum comentário:

Postar um comentário